terça-feira, março 30, 2010

O quintal das traseiras

A minha casa em Cabanas, que é uma vivenda com vista para o mar, deve ser ainda das poucas casas, na minha zona, que ainda dispõe de um quintal amplo nas traseiras. Passei muitas horas da minha meninice nesse quintal, se fosse contabilizar todo o tempo que perdi nele talvez acho que perdi metade de toda a minha infância nesse quintal. Actualmente e quando regresso ao quintal da minha meninice, é com grande pena que vejo um lugar completamente coberto por essas plantas malvadas chamadas ortigas. Foi neste sítio que tanta coisa boa e má se passou na minha vida, onde passava tardes infindáveis na companhia do meu avô paterno a falar de animais que ele adorava criar, como galinhas, patos e coelhos, entre outros. Foi também o lugar de brincadeiras com os meus irmãos e espaço para explorarmos todo aquele tempo maravilhosos das nossas vidas. É por isso que ainda me custa viver em apartamento, como hoje vive. Talvez o gosto pela liberdade e pelo contacto com a natureza terá nascido naquele pequeno palmo de terreno com pouco mais de 1000 metros quadrados. Infelizmente o meu avô paterno já partiu vai lá onze anos e dele ficou-me a saudade desses tempos que nunca mais regressarão. Pois é, aprendi a criar galinhas, coelhos e patos, um dia, quem sabe, esta civilização alimentada por combustíveis fósseis conhece a sua ruína e teremos todos de voltar para o campo. Eu ao menos já sei criar galinhas. Não precisar de jogar ao Farmville para conseguir isso... !Muitas histórias tenho eu aqui para contar a respeito do meu quintal. Lá ainda subsiste, desde a minha meninice, ainda, um tanque daqueles de cimento para lavar a roupa e um cacto que, quando eu era pequenino tinha só dois metro e meio de altura e que agora deve ter praí uns dez metros, tendo em conta que entretanto ramificou-se imenso. Mas o que me entristece mais é ver o sítio completamente coberto por urtigas de quase metro e meio de altura. É como se as urtigas tivessem sido lá postas de propósito para apagar as minhas memórias de criança!
Ainda me lembro do nome que lhe dei... "quintal dos 44 animais!", porque um dia decidi contar toda a bicharada que lá tinha e cheguei a conta de quarenta e quatro ! Continuou sempre a chamar-se o "quintal dos 44 animais", mesmo quando mais tarde podia ter mais ou menos animais que este valor exacto. Digamos que era o meu "sítio do picapau amarelo"!

1 Comentários:

Blogger Matrola disse...

E que tal pegares numa inchada e limpares aquilo, és mesmo português. Reclamas mas n fazes nada....

15 abril, 2010 12:00 

Enviar um comentário

<< Início