domingo, novembro 18, 2007

A ecovia que ainda não é bem o que se previa...

Não existe muita coisa para dizer, é sempre a história do costume: os políticos gostam de prometer, mas mesmo que cumpram, é sempre tarde e a más horas: é o que se passa com a Ecovia do Algarve, cuja inauguração estaria prevista, ao que parecia, neste mês de Novembro, ainda não se concretizou, com excepção do concelho de Tavira, onde o troço que atravessa o concelho da minha residência já está em pleno deste o passado mês de Julho, cujos 23 km tive oportunidade de experimentar no dia de hoje. Fui de comboio até à estação do Livramento e depois segui pela EN125 até ao início da Ecovia no concelho de Tavira : situado junto do lugar de Arroteia de Baixo, mesmo junto da estrada que marca a fronteira dos concelhos de Tavira e Olhão. O lugar é engraçado para começar o percurso, porque ao fim da estrada chega-se a um parque de caravanismo e de armazéns de apetrechos de pesca, divisando-se ainda uma espectacular vista da barra da Fuzeta, que separa a ilha de Tavira da da Armona. Aqui tive oportunidade de experimentar uma visão apoteótica de quatro belos flamingos rosa de pescoço estendido a esvoaçar ao alvorecer. Pena não ter tido tempo de registar o momento em fotografia para a posterioriedade! Por falar em fotografias, elas estão aqui: Iniciando-se o percurso de bicicleta a sério um pouco mais acima, onde se encontra a placa respectiva, chega-se ao primeiro lugar interessante do ponte de vista natural depois dos tanques de aquacultura da empresa Timar, aí passa-se por cima de uma ribeira, através de uma ponte feita de propósito para a Ecovia - tive oportunidade de avistar flamingos, aves que não se vêm sempre todos os dias na ria. Continuando-se o percurso junto das salinas, atingi-se o lugar do Pinheiro, onde se encontra uma estrada de terra batida paralela à ria até junto da Torre de Ares, minarete que se julga provir do tempo dos romanos, quando a cidade de Balsa, considerada a antecessora de Tavira, se erguia naquele local. O percurso então afasta-se da Ria Formosa, regressando apenas à sua proximidade já depois de Tavira, no acesso ao Hotel Albacora, antigo Arraial Ferreira Neto. Aliás, não compreendo a decisão de evitar atravessar a marginal de Santa Luzia, já que fizeram isso em Cabanas, porque raio não atravessar a marginal de Santa Luzia, o percurso seria deveras mais estimulante, contando com a possibilidade de atravessar as salinas entre Tavira e as Quatro Águas. Mas não foi essa a decisão final dos responsáveis da Ecovia, cuja conclusão está dependente, entre outras confusões, das decisões individuais das entidades de cada concelho, responsável pela concretização do respectivo troço em cada concelho. Parece que os concelhos de Lagoa e Silves também já têm os seus troços em fase avançada, enquanto outros como Olhão se debatem com desacordos com os proprietários de terrenos privados. O concelho de Faro já delineou a execução do seu respectivo troço, mas parece que os conflitos com os proprietários privados em Olhão (ou a falta de vontade do respectivo autarca?) irá atrasar o troço em Olhão. Estou a ver que, em último caso, será necessário de Faro a Olhão pela EN 125 (!?!?!?!?). Sonho com a ocasião em que irei tirar uma semana de férias para fazer a Ecovia toda, de Sagres a Vila Real, quando ela tiver completamente concluída, mas isso será quando ???? Senhores políticos, decidam-se, afinal, já perderam o gosto em cortar fitas ?!?!?

Aqui fica uma resenha do trajecto, graças ao site everytrail.com: Ecovia Tavira at EveryTrail Map created by EveryTrail: GPS Travel Community

2 Comentários:

Blogger JG. disse...

Quer o amigo dizer que foi RE-INAUGURADA, pois os caminhos que fazem parte da ECOVIA em Tavira já existem há mais de 2000 anos, como testemunham muitas da oliveiras que bordejam o percurso...

Nova, nova só a ponte sobre a ribeira do Almargem e a sinalética vertical e horizontal que conduz os mais distraídos, inclusivamente no centro de Tavira, causando um "ruído azul" nas avenidas e ruas da cidade e confundindo que desconhece a razão de ser de tanto traço contínuo!!!

21 novembro, 2007 16:08 
Blogger pescadorDigital disse...

Não concordo. Não há quaisquer provas de que a ecovia seguisse por caminhos antigamente utilizados romanos. Talvez num ou noutro troço junto da zona da Torre de Aires, é uma boa possibilidade, mas não a ecovia toda, é claro! Para mais, o romanos nem tinham o conceito de ecovia. Ainda nem havia bicicletas naquele tempo :)
Obrigado pelo comentário

21 novembro, 2007 22:41 

Enviar um comentário

<< Início