terça-feira, julho 19, 2005

Recordando Nietzsche

Depois de ter andado muito tempo a ler apenas ficção científica, o meu género literário preferido, e agora que estou definitivamente de férias, decidi dedicar-me a um estilo completamente distinto: Filosofia, que de literário não tem muito (depende do ponto de vista). E elegi um dos meus preferidos: o polémico filósofo alemão Friedrich Nietzsche , criador da corrente do niilismo, e que cunhou o conceito do Super-Homem (Übermensch, no alemão original, que não tem nada a ver com o super-herói), que, segundo alguns autores, inspirou Hitler na sua ideia de raça superior. E o livro que estou a ler é Para além do bem e do Mal - prelúdio de uma filosofia do futuro (no original alemão Jenseits von Gut und Böse. Vorspiel einer Philosophie der Zukunft ). Encontrei na secção 15 (não sei se é assim que se devem chamar, mas na obra cada trecho encontra-se numeradas cada uma das secções com temas diferentes) a seguinte afirmação, a qual decidi destacar (estou a usar a tradução portuguesa do Círculo de Leitores, de 1996): (...)E há quem diga que o mundo exterior é obra dos nossos órgãos dos sentidos! Mas, então, o nosso próprio corpo, como parte desse mundo exterior, seria a obra dos nossos órgãos dos sentidos! Sendo assim, os nossos próprios órgãos dos sentidos seriam obra... dos nossos órgãos! Isto é, segundo me parece uma radical reductio ad absurdum; partindo-se do princípio que o conceito de uma causa sui é fundamentalmente algo de absurdo. Por conseguinte, o mundo exterior não é obra dos nossos sentidos? Bastante sugestivo, dá que pensar... Mas para mim, a minha afirmação preferida de Nietzsche continua a ser "O que não me mata, torna-me mais forte!" (não me recordo em que livro ela aparece), mas a afirmação mais famosa de Nietzsche continua a ser Deus está morto, viva o Super Homem, patente na sua obra mais emblemática, Assim Falavra Zarathustra .

1 Comentários:

Blogger silvio disse...

crepusculo dos deuses

11 maio, 2008 18:24 

Enviar um comentário

<< Início